Filme Sonhos exilados traz histórias de imigrantes africanos em SP


Da África para o Brasil, mulheres e homens imigrantes vieram com sonhos e expectativas, mas se depararam com desilusões e xenofobia. São histórias que podem ser vistas no curta do angolano Paulo Chavonga, que traz a narrativa de vendedores imigrantes africanos nas ruas de São Paulo.

Paulo conta que a ideia surgiu quando chegou no Brasil e viu muitos imigrantes parecidos com ele, mas ao mesmo tempo muito diferentes. “Mas, o Brasil colocava a gente no mesmo grupo. O fato da gente vir aqui com sonhos nos fez pensar que chegaríamos no Brasil como um país irmão, porque muitos deles se sentiram muito atraídos, por exemplo, pelo futebol e pelo fato da seleção brasileira ter muitos jogadores negros, então passava uma imagem de país muito acolhedor. Mas, ao chegar aqui a gente se depara com uma série de questões que nos excluem: tem a xenofobia e o racismo, que a gente não sabe muito lidar”, conta Chavonga.

São Paulo (SP) - O curta “Sonhos exilados” traz histórias de imigrantes africanos nas ruas de São Paulo, do angolano Paulo Chavonga, aborda, sob olhar humanista cotidiano dos africanos no Brasil.
Foto: Gabryel Sampaio/Sonhos exilados

Paulo Chavonga aborda cotidiano dos africanos no Brasil – Gabryel Sampaio

Artista nascido em Benguela (Angola), Paulo atualmente vive em São Paulo. Ele conta que em sua terra natal, o sofrimento é pela desigualdade social, não por racismo. “Viemos de um país em que a gente no máximo sofria desigualdade social, mas nunca por falta de referências, por falta de oportunidade e não essa desigualdade por conta da raça. Trouxe as histórias dessas pessoas que são muito silenciadas”.

O cineasta mostra que o racismo no país leva muitos imigrantes africanos à migração reversa, ou seja, quando os imigrantes saem do Brasil para outros países ou mesmo para retornarem à sua terra natal.

“No filme eles contam os sonhos que tinham antes de vir para o Brasil e o sonhos que eles têm já aqui,  inclusive mostro também uma migração reversa, dessas pessoas que vieram para o Brasil para poder procurar melhores condições de vida, mas por conta desses estigmas, dessa violência, eles fazem o caminho de volta ou vão para outros países”, explicou.

Além dos dissabores, o filme aborda também a alegria ao viver no país e a atração dos africanos pelo Brasil. “É de fato um povo muito alegre, a cultura é muito diversa e a gente se encanta com o jeito de ser do Brasil, com essa mistura, essa alegria. Como falei do futebol, essa diversidade racial na seleção brasileira, isso nos atrai de alguma forma. E o fato também do Brasil nos oferecer um misto de experiências, isso amplia nosso campo de visão sobre o mundo quando a gente chega aqui”. 

O cineasta pretende, com o filme, abrir o diálogo entre os imigrantes africanos e os brasileiros. “O filme abre porta para o diálogo e também pretende questionar o imaginário brasileiro sobre o imigrante africano e negro, porque o Brasil tem essa máscara de um país super acolhedor, mas tem questões que nos silenciam e vão consumindo a gente por dentro. Meu objetivo com o filme é abrir um diálogo e também questionar as pessoas, o imaginário brasileiro, o continente africano e negro aqui no Brasil”. 

O curta foi lançado na última terça-feira (27), no Cine Olido, em São Paulo e já pode ser assistido no Canal Conexão Angola Brasil, do Youtube. A produção integra a exposição “Onde o arco íris se esconde”, que começa em 8 de julho, no Museu da Imigração, em São Paulo e será exibido também no local.

Exposição

Além de cineasta, Paulo Chavonga, é poeta e artista plástico. Na exposição individual do artista,  organizado pelo coletivo conexão Angola Brasil através do projeto “Histórias que pintam África Pelas Ruas de São Paulo”, mostra suas obras.

São Paulo (SP) - O curta “Sonhos exilados” traz histórias de imigrantes africanos nas ruas de São Paulo, do angolano Paulo Chavonga, aborda, sob olhar humanista cotidiano dos africanos no Brasil.
Foto: Sonhos exilados/Divulgação

Exposição de Paulo Chavonga Onde o arco íris se esconde – Gabryel Sampaio

Na exposição Onde o arco íris se esconde, Chavonga faz conexões entre trajetórias de imigrantes africanos, a experiência cotidiana em outro país e o universo da representatividade artística.  A exposição integra 60 pinturas, uma instalação que reproduz uma barraca de venda de tecidos da Praça da República, dois vídeos e 12 poemas, que serão apresentados escritos ou em áudios espalhados pelo Museu. No dia da estreia, os poemas serão declamados pelos poetas angolanos Ermi Pazo e Mwana N´gola.

O projeto “Histórias que pintam África Pelas Ruas de São Paulo” foca nas múltiplas relações construídas entre Angola e Brasil pelas artes.



EBC

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *